Bem vindo ao Blog de Ornitologia e Birdwatching da ONG MAE!

SEJA BEM VINDO!

Se você é ornitólogo profissional ou amador, ou um simples amante da natureza em especial da avifauna, este é o seu Blog. De agora em diante serão postadas novidades, notícias e informações interessantes obtidas através das pesquisas e atividades realizadas pela ONG MAE - Meio Ambiente Equilibrado, sobre a avifauna brasileira.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Araras híbridas aparecem soltas em Mauá da Serra (próximo a Londrina - PR)

            A Hibridação ou Hibridismo é um processo que ocorre naturalmente ou por indução, onde duas espécies diferentes se cruzam, dando origem a um ou mais indivíduos com características das duas espécies (híbridos).
     Um exemplo clássico de Hibridação e que qualquer um entenderá é o da Mula, que descende de um cruzamento entre uma Égua e um Jumento. 
   Grande parte dos casos de hibridação resultam em indivíduos estéreis, ou seja, sem capacidade reprodutiva. Porém, em alguns casos, os híbridos podem ser férteis, como acontece entre algumas espécies de Pererecas do gênero Phyllomedusa.
       
Este fenômeno pode ser tão inofensivo quanto perigoso.
       Como assim?
      A evolução por si só, acontece através de vários mecanismos, e um deles é justamente a Hibridação. Neste contexto quando duas espécies se cruzam e geram descendentes férteis, há uma possibilidade de que as espécies "originais" sejam substituídas pela nova espécie híbrida. Porém, esta substituição só pode acontecer se os descendentes destes cruzamentos interespecíficos forem férteis e "acumularem" as melhores características fenotípicas e genotípicas de cada espécie, o que geraria uma espécie "mais forte"  -ecologicamente falando - do que seus ancestrais.
        Ao mesmo tempo esta nova espécie, caso substitua seus ancestrais, poderia representar uma queda na biodiversidade. A matemática é simples, eram 2 espécies, que viraram 1.
      Por outro lado, se duas espécies cruzadas gerarem uma terceira fértil, há ainda uma possibilidade de que estas consigam coexistir, e onde existiam 2 espécies, existiriam 3, e a diversidade aumentaria. 
        Complexo né? E como!
       Não é de se estranhar que apesar de todo desenvolvimento em pesquisas, ainda não há certezas quanto aos processos evolutivos que ocorreram para que o mundo seja o que é hoje... e se eu for citar todas as possibilidades este texto ficará mais longo do que já é.
        Mas voltemos à nossa "mistura de espécies".
      Naturalmente a hibridação costuma acontecer quando há contato entre populações de duas ou mais espécies "próximas", e resulta do convívio a longo prazo entre as espécies, ou do caso de uma destas espécies estar desaparecendo. 
       A hibridação pelo simples "convívio" entre duas ou mais espécies acontece normalmente em regiões de ecótono (zona de transição ecológica) onde se encontram, por exemplo, dois ou mais ecossistemas.
       Já a hibridação por declínio de uma espécie, nada mais é do que uma tentativa desesperada de uma espécie perdurar no tempo. Neste caso os indivíduos remanescentes de determinada espécie buscam parceiros de outras espécies "semelhantes" para acasalar e, eventualmente, o cruzamento dá certo e gera uma nova prole híbrida, mas na maioria dos casos não há fecundação.
          Um exemplo claro deste evento - e para mim o mais triste deles pois foi induzido pelo homem através da eliminação de habitat - é o da Ararinha-azul (Cyanopsitta spixi) que nas últimas visualizações de um indivíduo silvestre, este foi visto pareado com um  Maracanã-verdadeiro (Primolius maracana). A tentativa desesperada de cruzar com outra espécie não deu certo e pouco tempo depois confirmou-se a extinção da Ararinha-azul na natureza. 
Ararinha-azul (Cyanopsitta spixi) pareada com Maracanã-verdadeira (Primolius maracana). Foto: LO, V. K. (1992).
http://www.wikiaves.com.br/142743&p=1&t=s&s=10410
*Mais fotos da arararinha-azul acesse:
 http://www.wikiaves.com.br/midias.php?t=s&s=10410

        Vale lembrar inclusive, que mesmo que duas espécies se cruzem, e gerem descendentes férteis, isto em hipótese alguma pode ser encarado como a "salvação" de qualquer uma das espécies envolvidas. Explicando grosseiramente e usando novamente o exemplo da Mula... se ela fosse fértil, dela nasceriam novas Mulas ou novos Híbridos, e jamais um Cavalo ou Jumento puros. Ou seja, mesmo que a Ararinha-azul conseguisse cruzar com o Maracanã-verdadeiro, e os descendentes fossem férteis, seria uma terceira espécie, e a Ararinha-azul teria sumido do mesmo jeito.
          E onde entra o Homem nesta história toda?
        Primeiramente pelo fato de sermos os maiores responsáveis pela destruição de habitats, que resultam tanto na diminuição dos ecossistemas aproximando populações de espécies diferente, quanto na redução das populações destes animais e plantas. Em ambos casos pode haver um estímulo à hibridação.
        E segundo pela tendência humana à experimentação, e por que não dizer, pelo costume humano de "brincar de Deus".
         Quem nunca ouviu falar nas combinações de várias aves canoras (canários, pintassilgos, coleirinhos e etc.) para se conseguir aves de cantos cada vez mais "fantásticos". Ou mesmo já ouviu falar, assistiu ou participou de algum dos campeonatos organizados em que os participantes apresentam suas "aberrações vocalizantes".
         Pois se não bastasse esta prática em busca do canto perfeito, há também aqueles que criam espécies não muito cantantes - como as araras - apenas pela busca de novas cores e de bichos "exclusivos".
         Na mais recente visita da ONG MAE a um possível parceiro, fomos alertados de que havia um casal de Araras SOLTAS que visitava todos os dias um viveiro de aves (apreendidas do tráfico de animais) onde atualmente vivem duas Araras-canindé (Ara ararauna) em recuperação.
        *Registros de Araras no estado do Paraná são raríssimos graças à devastação de nossas florestas, e nas imediações de Londrina não se houve falar em araras silvestres há décadas.*
      Logo fomos em busca das visitantes, e elas estavam no local. Para nossa surpresa, era um casal de Araras com cores que jamais havíamos visto. Analisando os padrões de cor, ficou claro que se tratavam de animais híbridos, provavelmente de um cruzamento entre Arara-canindé e Arara-vermelha-grande (Ara chloropterus).
         A suspeita se deu pois as aves apresentam características de Arara-canindé: as costas e as penas das asas azuis, rabo com cores superior azul e inferior amarela, nuca azul, garganta negra, e características de Arara-vermelha: testa vermelha, pescoço e ventre vermelhos. Além das penas das linhas da face que são vermelhas (arara-vermelha) e pretas (arara-canindé). Veja algumas das imagens que fizemos das araras híbridas.       


Vista posterior aproximada evidenciando as costas azuis. Foto: Oliveira, 2012

Vista frontal aproximada evidenciando o ventre vermelho. Foto: Oliveira, 2012

Vista lateral aproximada. Foto: Oliveira, 2012

Penas vermelhas e negras nas linhas da face. Foto: Oliveira, 2012.
      Curiosos fomos buscar informações a respeito, e encontramos relatos e notícias sobre avistamentos de araras hibridas em Bonito - MS ( http://www.pantanalecoturismo.tur.br/ECOLOGIA-PANTANAL-2824-ARARA+HIBRIDA+E+ENCONTRADA+EM+BONITO.htm ), e buscando um pouco mais a fundo, encontramos um site de vendas de psittacideos (papagaios, periquitos, araras e etc) onde são oferecidos híbridos de Araras. Inclusive no site há novos nomes populares para as novas espécies, e o preço de cada uma delas. Não vamos referenciar estes sites de venda aqui no blog pois somos totalmente contra a criação de aves silvestres em domicílios seja qual for a espécie - LEGALIZADA OU NÃO - e contra estas experimentações do homem para "fabricar" animais diferenciados.
      Nossa breve pesquisa sobre a hibridação de Araras nos deixou mais perplexos e com várias dúvidas sobre a procedência destas aves.
 
Nos restam inúmeras perguntas:

  • DE ONDE VIERAM?
  • SÃO ARARAS DESCENDENTES DE UMA HIBRIDAÇÃO NATURAL?
  • SÃO ARARAS HIBRIDIZADAS EM ALGUM "PET SHOP" E SOLTAS POR ALGUÉM QUE ENJOOU DOS BICHOS?
  • SE SÃO NATURAIS, DE ONDE VIERAM E ONDE VIVEM SEUS PAIS?
  • SÃO FÉRTEIS?
  • ..................................

E a mais importante de todas as perguntas:

  • O QUE FAZER COM ESTES ANIMAIS?

ps: Não foi possível observar se as aves possuíam anilhas.


2 comentários:

  1. http://4.bp.blogspot.com/_SlKb4v8x3fs/TDfClOIG0PI/AAAAAAAAAAc/LV4OHFIsuaE/s1600/Arara+Canind%C3%A9+e+Arara+Vermelha.JPG são fotos da internet...

    ResponderExcluir
  2. Estava pesquisando sobre hibridação, pois estou perplexa com o que esta ocorrendo com minhas aves. Tenho um casal de papagaios, que viviam juntos há pelo menos 5 anos. Eles brigavam bastante, sempre o macho agredindo a fêmea. Eu tinha também um casal de maracanas verdadeiras ( comprei a segunda ararinha como se fosse macho, para fazer par com a que eu já tinha, há 13 anos). A femea ararinha maracana foi roubada. Para não deixar o Dudu, (a ararinha que comprei como macho) sozinho, resolvi colocar no mesmo viveiro com o casal de papagaios. E foi então que algo surpreendente ocorreu. O papagaio e a ararinha desenvolveram uma aproximação intensa, e ambos começaram a bater na papagaia fêmea, cada um batia nela a menor aproximação. Primeiramente, resolvi afastar a ararinha do viveiro, pois fora essa introdução que causara o problema. Mas então o problema se agravou, com o papagaio gritando o dia todo, chamando pela ararinha, e o Dudu, pseudo-macho, também respondendo aos chamados do papagaio. Uma gritaria infernal e impressionante!Sem saber mais o que fazer, por causa das reclamações dos vizinhos, resolvi colocar os dois juntos, o papagaio e a ararinha. A paz voltou, e os dois passam o dia namorando, e hoje os peguei cruzando! Como isso é possível?
    Por outro lado, a fêmea papagaio está bem mais feliz, e querendo mais aproximação comigo, como se estivesse agradecida por eu a ter livrado do papagaio! Vocês teriam algo para me dizer, sobre essa situação tão inusitada? Será que a ararinha, que me foi vendida como macho é fêmea? Isso me ocorre tambem porque a outra ararinha, que me foi roubada, não gostava do "Dudu", batia nele o tempo todo. Penso agora que pode ter sido isso o que estava ocorrendo. A ararinha é anilhada e veio de um criatório registrado, mas será que foi sexada corretamente ou me venderam um macho por fêmea? Ou então, se o Dudu é macho, ele poderia ser gay?

    ResponderExcluir